Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2015

A sabedoria da Alegria

A que nos conduz a vida, qual o seu significado, para que existimos? Talvez nunca possamos responder estas perguntas, mas podemos seguir a pista deixada pelos Mestres. E todos eles nos falam de Alegria, pura alegria de viver. Ser parte deste Universo vivo é uma grande alegria e não precisamos de mais nada para ser felizes, basta viver cada momento, se contentar com a vida e tudo o que ela nos traz. A alegria de ser, como crianças brincando no jardim da vida, se alegrando com cada nova descoberta. Mas as vezes perdemos nossa alegria porque queremos prender a vida, queremos possuir as coisas e as pessoas, deixamos de Ser para Ter. E aí a alegria se perde, porque nunca teremos o bastante, porque na verdade já temos tudo o que precisarmos e desejarmos. Um milionário possui muito dinheiro no banco, mas se sua carteira está vazia, não sofre com isso, porque sabe que pode ter o que quiser, é só esperar um pouquinho e sacar o dinheiro que precisa. Nós vemos a belez

Nao se afobe nao que nada é para já

Estava refletindo sobre a sabedoria do tempo, como ele nos transforma naquilo que imaginamos que seria impossível atingir, como ele nos traz o aprendizado no tempo certo... Vejo os jovens ansiosos e sedentos que colocam os pés no caminho da espiritualidade, então me veio esta sábia canção de Chico Buarque, que gostaria de compartilhar com vocês... Não se afobe, não Que nada é pra já O amor não tem pressa Ele pode esperar em silêncio Num fundo de armário Na posta-restante Milênios, milênios No ar ... E quem sabe, então O Rio será Alguma cidade submersa Os escafandristas virão Explorar sua casa Seu quarto, suas coisas Sua alma, desvãos ... Sábios em vão Tentarão decifrar O eco de antigas palavras Fragmentos de cartas, poemas Mentiras, retratos Vestígios de estranha civilização Não se afobe, não Que nada é pra já Amores serão sempre amáveis Futuros amantes, quiçá Se amarão sem saber Com o amor que eu um dia Deixei pra você... Lindo, não? Quem sabe