Pular para o conteúdo principal

PENSAMENTOS E FRAZES DE ELIPHAS LEVI

Para falar de ELIPHAS LEVI precisamos primeiro buscar entender a alma do mestre.

Minha intenção com esta reflexão sobre ELIPHAS LEVI não é desvendar os mistérios das suas obras, mas dar sentido ao seu trabalho e compreender o seu significado para nossa ordem.

Estudando Eliphas Levi, com a mente aberta e investigativa, podemos compreender melhor os degraus de nossa ordem e a importância de cada mestre.

Cada um de nós nasce sob o domínio de um plano e nele aprende a maior parte dos ensinamentos e desenvolve suas habilidades. Podemos desenvolver nossas habilidades em outros planos, mas muitas vezes são necessárias várias etapas para passarmos de um plano a outro, e nossos corpos são constituídos de forma a vivermos melhor as experiências no plano em que estamos aprendendo. O aprofundamento na astrologia e numerologia pode nos ajudar a entender estes diversos planos e suas características.

Nossa escola tem acento para todos os planos, e não identifica os seus alunos, mas ensina a cada um a reconhecer-se para que cada um dirija seus estudos de acordo com suas necessidades de aprendizado.

Eliphas Levi é o Mestre do Plano Psíquico, que une o mental abstrato e o emocional, e para entende-lo precisamos de alguma forma transitar neste misterioso mundo da mente inconsciente.

Sabemos que nosso cérebro tem dois hemisférios, o esquerdo e o direito. O Esquerdo é domínio das coisas sequenciais, logicas e analíticas, o que chamamos de Razão, que representa o princípio masculino.

O Cérebro direito cuida dos assuntos sistêmicos e sensitivos, não lineares e nos conecta com a nossa parte mais profunda do inconsciente e representa o princípio feminino.

Nossa busca maior é pela harmonia destes contrários, para que trabalhando em estreita cooperação, tenhamos percepção de uma nova dimensão, a dimensão da mente  Superconsciente.

O Mestre Prentice Mulford nos ensina a desenvolver a mente concreta e nos prepara para obter certo domínio, equilibrando nossas forças internas.

Eliphas Levi, entretanto, nos ensina a voar nos domínios da mente abstrata, da linguagem não linear, da realidade mais profunda do nosso ser, o domínio daquilo que chamamos alma.

Para permanecer no domínio psíquico é preciso ter ligação com as duas metades, a racional e a psíquica, pois o emotivo pode se perder nos mares do inconsciente e ser presa fácil, e o racional, não chega nem perto destes mares, e permanece na superfície.

Tentar entender Eliphas Levi com a mente racional e sequencial é pura perda de tempo. Para ler suas obras é preciso abandonar o sentido logico, ser guiado pela intuição, seguir pelo caminhos do inconsciente.

Se Prentice Mulford nos ensina a pintar cercas, Eliphas levi nos ensina a hipnotizar a serpente.

Mas é no domínio de Eliphas Levi, o mundo psíquico, que se aprende a dar grande valor a obra do Mestre Prentice Mulford, pois a ancora da mente concreta será necessária para manter o barco seguro nas ondas agitadas do mar psíquico.

Quem não aprendeu esta lição não deve jamais entrar nestes mares, sob o risco de ser afogado por ele.

Diante da mente abstrata, guiada pelo Mestre da Magia, os símbolos ganham vida e sentido, conectando suas múltiplas dimensões, que só se revelam a mente habilidosa que sabe navegar nestes mares.

A chave dos grandes Mistérios não se encontra no domínio da mente racional.

O Mestre sacia a sede daqueles que desejam acessar os mistérios, mas alerta sempre o sentido de sua real utilidade pratica e os perigos das armadilhas deste mundo onde o bem e o mal se confundem e se entrelaçam e o aventureiro incauto tem mais chances de se perder do que seguir adiante.

O Mestre fala a linguagem psíquica e a ousadia de suas palavras provem da compreensão errada por parte das mentes puramente racionais. Por isso ele foi preso muitas vezes por ofender a fé, justamente ele, o maior defensor do verdadeiro espirito católico.

Embora não tenha a pretensão de fazer um resumo da obra do mestre, transcrevo abaixo algumas pérolas, para iluminar a compreensão de sua alma.

 “Deus é aquilo que aprendemos a conhecer eternamente. É por conseguinte, o que nunca saberemos.

 “A fé não pode ser oposta a razão, ela é necessitada pelo amor, é idêntica à esperança. Amar é crer e esperar, e este tríplice impulso da alma é chamado de virtude, porque é preciso coragem para fazê-lo. Mas haveria coragem nisso, se não fosse possível a dúvida? Ora, poder duvidar é duvidar. A dúvida é a força equilibrante da fé e faz todo o seu mérito...

Raciocinar sobre a fé é delirar, porque o objeto da fé está fora da razão. Se me perguntarem: Há um Deus?  Respondo: Creio-o. Mas estais certo disso? – Se tivesse certo disso, não creria, sabê-lo-ia.

A fé começa onde a ciência acaba. 

Não se pode adivinhar o desconhecido e não ser pelas suas proporções supostas e que podem supor com o conhecido.

A analogia era o dogma único dos antigos magos.

Dogma verdadeiramente mediador, porque é meio cientifico, meio hipotético, meio razão e meio poesia.

“Não é para o direito que devemos tudo ousar, é para o dever.

É o dever que é a expressão e o gozo da liberdade; o direito isolado é o pai da servidão.

O dever é o devotamento, o direito é o egoísmo.

O dever é o sacrifício, o direito é a rapina e o roubo.

O dever é o amor, o direito é o ódio.

O dever é a vida infinita, o direito é a morte eterna.

Se é preciso combater para a conquista do direito, é para adquirir o poder do dever; e para que, pois, seríamos livres, senão para amar, nos devotar e assim nos assemelharmos a Deus?”

Se é pois preciso infringir a lei, é quando ela prende o amor pelo medo.

Aquele que quer salvar sua alma, perdê-la-á, diz o livro sagrado, e aquele que consentir em perde-la salvá-la-á.

Ó homem, dize-me o que tu esperas, e eu te direi o quanto vales.

Tu oras, tua jejuas, tu vigias e crês que assim escaparás só ou quase só da perda imensa dos homens devorados por um Deus cioso ?

Tu és um hipócrita e um ímpio.

Tu estás pronto a sofrer como os outros e pelos outros, e esperas a salvação de todos; Tu és um sábio e um justo.

Esperar não é ter medo.

Ter medo de Deus! Que Blasfêmia!

O ato de esperança é a oração.

A oração é a expansão da alma na sabedoria e no amor eternos.

Oremos em silêncio e levantemos para o Pai desconhecido um olhar de confiança e de amor; aceitemos com fé e resignação a parte que nos dá nas penas da vida, e todas as palpitações do nosso coração serão palavras de oração.

Se o coração do homem concentra em si mesmo o fogo com que Deus o anima, torna-se um inferno que devora a si mesmo e se enche de cinzas; se o faz irradiar para fora, torna-se um agradável sol de amor.

O menos perfeito dos atos de amor vale mais que a melhor palavra de piedade.

Orar conjuntamente é comungar na mesma fé e na mesma caridade.

O sinal nada é por si mesmo: é a fé que o santifica.

Deus dá sua onipotência ao amor. Gosta de triunfar do ódio, mas vomita a frieza.

Há um homem mais forte do que aquele que mata, é aquele que morre para salvar.

É preciso amar a Deus e não temer Cézar. Porque foi dito no livro sagrado: Aquele que fere com a espada, perecerá pela espada.

Quereis ser bons, sede Justos. Quereis ser justos, sede livres!

Os vícios que fazem o homem semelhante ao bruto, são os primeiros inimigos de sua liberdade.

Olhai o bêbado e me dizeis se este bruto imundo pode ser livre!

O homem que faz o mal é como um vaso que quebrar-se-á, a fatalidade o quer.

Com o fragmento dos mundos, Deus refaz as estrelas, com o fragmento das almas faz os anjos.

Aquele que procura a origem do mal, procura de onde vem o que não existe.

O mal é o apetite desordenado do bem, é o ensaio infrutífero duma vontade inábil.

Cada qual possui o fruto de suas obras, e a pobreza é simplesmente o aguilhão do trabalho.

Para o rebanho dos homens, o sofrimento é como o cão do pastor que morde a lã das ovelhas para pô-las no caminho.

É por causa da sombra que podemos ver a luz; é por causa do frio que sentimos calor; é por causa do sofrimento que somos sensíveis ao prazer.

O mal é, pois, para nós a ocasião e o começo do bem.

A Bíblia não é uma história, é uma coleção de poemas, é um livro de alegorias e imagens. Quando os sábios antigos queriam ensinar, criavam histórias.

Mulher, dizia o Salvador à Samaritana, em verdade te digo que tempo virá em que os homens não adorarão mais a Deus nem em Jerusalém nem nesta montanha, porque Deus é espírito, e seus verdadeiros adoradores devem servi-lo em espirito e verdade.

O direito é a propriedade, a troca é a necessidade; a boa-fé é o dever.

Aquele que quer receber mais do que dá, ou quer receber sem dar, é um ladrão.

O Domínio do mistério é pois, um campo aberto às conquistas da inteligência. Pode-se caminhar nele com ousadia e nunca a sua extensão será diminuída; mudar-se-á somente de horizontes.

Tudo saber é sonho do impossível, mas infeliz é quem não ousa tudo aprender e não sabe que, para aprender alguma coisa, é preciso resignar-se a estudar sempre.


Siga-nos para receber novos materiais
 Siga a Escola do Pensamento











Perfil Jsps



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A tríade Pensar, Sentir e Agir

Estes três vértices formam o triangulo magico da Criação, que envolve sempre Ideia, sentimento e ação. Existe uma estreita correlação entre eles , de tal forma que quando um deles é  acionado desencadeia reação nos demais. O pensamento gera sentimento, que provoca ação, a ação provoca sentimento e reflexão , o sentiment o dependente da criação mental e da iniciativa. Qual o motor que costumamos usar em nossas vidas? Ação desenfreada e irrefletida, rompantes destruidores sem a analise cautelosa da razão? Turbilhões de imagens mentais que incendeiam as emoções ? Sentimentos nebulosos de magoa ou paixões desenfreadas , confund indo a  a razão   e a  visão  da realidade? Os sábios antigos comparavam o homem com uma carruagem. O Cocheiro representa a mente, Os Cavalos Representam o coração e as emoções, A Charrete com sua mecânica, representa o Corpo Físico. Quem está no comando desta carruagem? A carruagem move-se desgovernada seguindo ladeira abaixo, carr

Consagracao do Aposento

Gostaria de oferecer uma prece já conhecida e consagrada pelo Circulo Esotérico da Comunhão do Pensamento,   a Consagração do aposento. Mas proponho que ao afirma-la, cada um se veja no centro de um círculo que forma ao redor de si “um aposento”, um lugar especial dentre de cada um de nós mesmos.  Um círculo que cresce e se expande a medida que nos purificamos e nos tornamos projeções mais perfeitas do poder, sabedoria e amor de Deus. Que  envolve aos poucos aqueles com quem nos relacionamos e vai se ampliando e tocando os círculos iluminados daqueles com que cooperamos, formando um círculo cada vez maior de Paz e Harmonia. CONSAGRAÇÃO DO APOSENTO Dentro do Círculo Infinito da Divina Presença que me envolve inteiramente Afirmo: Há uma só presença aqui: é a presença da Harmonia, que faz vibrar todos os corações de Felicidade e Alegria. Quem quer que aqui entre, sentirá as vibrações da Divina Harmonia. Há uma só presença aqui: é a do Amor. Deus é Am

A vida é uma dança

Quando uma porta se fecha, outra se abre; quando um caminho termina, outro começa… nada é estático no Universo, tudo se move sem parar e tudo se transforma sempre para melhor. Habitue-se a pensar desta forma: tudo que chega é bom, tudo que parte também.  É a dança da vida… dance-a da forma como ela se apresentar, sem apego ou resistência. Não se apavore com as doenças… elas são despertadores, têm a missão de nos acordar. De outra forma permaneceríamos distraídos com as seduções do mundo material, esquecidos do que viemos fazer neste planeta. O universo nos mandou aqui para coisas mais importantes do que comer, dormir, pagar contas… Viemos para realizar o Divino em nós. Toda inércia é um desserviço à obra divina. Há um mundo a ser transformado, seu papel é contribuir para deixá-lo melhor do que você o encontrou. Recursos para isso você tem, só falta a vontade de servir a Deus servindo aos homens. Não diga que as pessoas são difíceis e que convivência entre seres humanos