segunda-feira, 15 de julho de 2013

A Verdade que nos Liberta

A Verdade a nosso respeito é a que nos liberta. Não nos cabe a carga pelo errôneo sentimento de dever ou de fazer aquilo que não desejamos fazer. Elas são de origem de uma mente confusa. Quando conseguimos esclarecer nosso pensamento passamos a nos sentir livres de ônus.

Desafiemos os deveres que julgamos que não nos cabem, separemos os genuínos dos falsos, para podermos conseguir a nossa libertação pessoal. Descubramos pois as responsabilidades que nos pertencem.

Não é nosso dever fazer aquilo que é desejo dos outros, dar mais do que temos, drenando nosso tempo e nossa própria força, sacrificando nossa integridade em favor dos outros, que muitas vezes não estão ao alcance de tamanho sacrifício e nem se dão conta de que estamos nos sacrificando. Atiramos pérolas ao porcos.

Nao devemos nos curvar e diminuir nossa natureza, nem nos deixar drenar nossas forças, ou conservar relações desleais, ou escutar conselhos insensatos para agir alem de nossa capacidade, ou atender pedidos desarrazoados, nem acompanhar a multidão suportando situações desagradáveis procurando agradar a quem nos é desagradável, aceitando o ônus do mau comportamento dos outros e por isso irmos contra nossos próprios pensamentos, nos assujeitando a condições insuportáveis pedindo desculpas ao mundo e deixar a vida se escoar pelas nossas mãos.

O Sacrifício de si mesmo em favor do próximo geralmente não bom para os homens comuns. Não precisamos tentar ser o que realmente não somos. Precisamos nos libertar de falsas crenças para alcançar a verdadeira liberdade e descobrir a felicidade dentro de nós. A Verdade a nosso respeito está dentro de nós, recebemos no berço, e nunca  a perderemos, porque a temos no fundo do nosso espírito. Podemos resistir, combater e negar, mas ainda assim sempre a conheceremos. Sabemos verdadeiramente o que é melhor para nós, mas falsas crenças a respeito de deveres com terceiros fecham nossos olhos e precisamos nos livrar desta falsa ilusão que devemos nos sacrificar o tempo todo pelos outros esquecendo-se de si mesmo.

Todo conflito interior tem origem no choque entre crenças que absorvemos, e gera a infelicidade humana. O maior destes conflitos é entre o Eu Real e o Eu artificial, provocando todas as variedades de culpas, ansiedade, desespero e depressão.

Precisamos ter coragem de ser o que verdadeiramente somos, sem cogitarmos do que deveríamos ser ou o que o mundo quer que sejamos, porque é a verdade que nos faz livres. Usando uma maneira honesta de pensar, a verdade será sempre nossa melhor amiga, mesmo que a neguemos, ela será sempre fiel, não nos abandona e nunca por ser um elemento natural do nosso ser.

Se acreditamos que estamos no caminho certo, sigamos em frente, tenhamos paciência e persistência e chegaremos ao objetivo.   E se ficamos diante de situações que parecem imutáveis e irremediáveis, devemos abandonar o sentimento de responsabilidade e aceitar as coisas como são, pois se nada se pode fazer, nada se deve fazer a não ser aguardar o fruto dos acontecimentos. É preciso aprender que há um tempo de plantar e um tempo de colher e que a sementeira é livre, mas a colheita é obrigatória.

Temos uma consciência condicionada, absorvida da sociedade, mas também temos uma força interna pura e livre que nos aponta uma outra direção, seguir uma outra pode ser a diferença entre frustração e alegria, condicionamento e prisão ou liberdade.

Não é nosso dever amar uma pessoa desagradável, mas precisamos saber enfrentar o desgaste de sua personalidade, não por causa dela, mas por nós mesmos para que fiquemos protegidos da lei de retorno. Não devemos nada a uma pessoa que que não retribui nossa gentileza, fizemos nossa parte mesmo que tenhamos atirado pérolas aos porcos. Não devemos alterar o nosso modo de agir, mesmo quando nao encontram eco nos outros. É nossa responsabilidade amar e ser gentil com todos e com os nososs amigos, apreciar o prazer que suas companhias nos proporcionam. Fazemos os outros felizes, simplesmente sendo naturais e alegres, sendo verdadeiros e sinceros conosco. O maior dom que podemos oferecer as pessoas é sermos felizes e maduros. A espontaneidade, a bondade resultante desse estado de satisfação pessoal transborda e envolve suavemente os outros.

Por outro lado, temos o direito e o dever de lutar contra aquele que agride nossa integridade pessoal, mas devemos respeita-lo e trata-lo com honra e firmeza, defendendo nossa integridade acima de tudo, pois sem ela não ficaremos de pé.

Precisamos ter muito claro em nossa mente quais são nossos verdadeiros interesses e voltemos toda nossa atenção para o que realmente desejamos e seremos atraídos para fazer aquilo que precisamos fazer para alcanca-los,  o desejo apaixonado concentra nossas forças  naquilo que é importante e nos liberta das falsas crenças.

Desafiemos estas falsas crenças e obrigações, para que possamos nos libertar e encontrar nosso eco interior, mas tenhamos cuidado para nao cair na armadilha do egoísmo e perdermos a capacidade de servir. O Egoísta deixa de empreender suas forças interiores porque apega-se a tudo quanto possa agarrar com receio de perder e com isso cessa o fluxo da energia universal.

O interesse próprio não é a mesma coisa que egoísmo, ele focaliza os poderes pessoais e longe de ser egoísta ele destrói o egoismo, pois torna-se um manancial de energia para si e para os outros, fruto de uma personalidade amadurecida e bem dirigida pelo ego que dissolveu as competições interiores e alcançou o equilíbrio e segurança própria e todos ao seu retor se sentem atraídos pelo seu magnetismo.

O Falso sentimento de culpa impede as pessoas de sair em busca do seu próprio bem estar e continuam a viver dentro dos mesmos limitados padrões de conduta. A culpa surge quando se age de forma diferente da vontade interior.

Nossa maior responsabilidade é com o nosso próprio progresso espiritual, precisamos servir alegremente a nós mesmos para aprender a dar valor ao próximo. A satisfação de nossas necessidades pessoais é a primeira lei da nossa natureza e cria uma personalidade feliz e generosa, pois não podemos dar aquilo que não temos. Quando estamos satisfeitos, sem sentimento de culpa, enriquecemos todos os que encontramos e com os quais nos relacionamos contribuindo para melhorar o mundo ao nosso redor.

Por outro lado, o incomodo e insatisfação interna, a luta e a cólera destrói a paz de espírito e debilita o bom julgamento, promove comportamento repulsivo que pode gerar arrependimento futuro e com isso contaminamos a nós mesmos e a quem de nós se aproxime.

As nossas ações são justas quando tendem a promover a nossa felicidade e injustas quando promovem nossa própria infelicidade.

Façamos uma transformação no mundo fazendo primeiro a nossa felicidade pessoal e assim seremos luz no mundo e irradiaremos alegria e satisfação por onde quer que passemos.

E para isso, não precisamos de fazer nada alem daquilo que viemos fazer, aquilo para o qual nos preparamos previamente antes desta viagem maravilhosa. Sejamos então sinceros e verdadeiros conosco mesmo e com o universo e cumpramos nossa missão com simplicidade e humildade.

Joias Preciosas extraídas dos Livros Esotéricos
Lida na Segunda feira dia 15/07/2013  para ser Meditado e comentado

2 comentários:

  1. Creio que falta um link para este blog lá na página principal do www.Tattwa.org.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edson,
      Concordo plenamente, iremos providenciar.
      Obrigado pela sua sugestão.
      abs

      Excluir

Desiderata

Siga tranqüilamente entre a inquietude e a pressa, lembrando-se que há sempre paz no silêncio. Tanto que possível, sem humilhar-se, v...