Pular para o conteúdo principal

A cultura devora a estrategia


"A cultura devora a estratégia no café da manhã"

Esta frase de Peter Drucker me levou a refletir sobre a importância da cultura para as organizações e o desafio dos líderes para implementar projetos de mudanças,  se não considerarem a cultura organizacional. 

Cultura é uma  palavra muito usada para descrever o comportamento de grupos e sociedades, pois ela é fruto de valores e crenças expressos e consolidados ao longo de anos. 

Somos atraídos para os grupos pelas nossas afinidades e valores e somos expulsos naturalmente de grupos que não temos tal afinidade,  e a cultura é a liga que une o grupo. 

Mas se o grupo deixar alguém entrar que não compartilhe totalmente de tais valores, e esta pessoa tiver força para atrair outros de sua semelhança, então o grupo corre grande risco de enfraquecer a cultura que unia a todos na mesma frequência.

Por isso a cultura do grupo vai crescendo lentamente a medida que atrai mais indivíduos que se sintonizam com aqueles valores. Uns se apoiam nos outros para dar consistência aos seus próprios valores.

Cada grupo forma assim um Feudo, uma cidadela, protegida por muros altos, e elege os mais vigorosos e coloca sobre eles a coroa, a espada e o escudo e dizem:  Este é nosso líder!  

O  líder tem o poder de coordenar e cuidar dos objetivos e estratégias, mas é o grupo que fala através dele expressando sua cultura.

Se olharmos em volta veremos estes diversos  feudos que constituem a nossa humanidade. São famílias, grupos sociais, empresas, entidades filosóficas, religiosas, políticas, governamentais, cidades, estados, países, e até a própria humanidade reunida forma uma cultura única.

Os indivíduos sempre estão ligados a diversos grupos, e funcionam como os neurônios condutores da energia que sustenta a cultura do grupo. Muitas vezes participamos de grupos com culturas diferentes, e assim temos a oportunidade de revelar em cada um deles uma parte dos nossos valores. 

Seremos atraídos por certas culturas enquanto existir necessidades internas, e uma vez esgotadas, elas perdem o poder magnético que exercia sobre nós. Nesse momento ocorre um ponto de ruptura, e naturalmente o indivíduo muda seu comportamento, abrindo a mente para perceber outras realidades.

Como vimos, na maioria das vezes a cultura é criada de forma espontânea pela atração mútua das pessoas com afinidades.  Mas existem grupos e organizações que formam desde o primeiro instante as bases para a criação de uma cultura estruturada que reflita a missão e valores desta organização, através de políticas, procedimentos e rituais que criam assim sua tradição.

Criar uma cultura é difícil, leva tempo e requer esforços concentrados e cadenciados, e isso normalmente exige a ação de líderes com grande poder de vontade, capazes de dosar  firmeza, determinação e consistência, trabalhando ao longo do tempo. Tais líderes são verdadeiros escultores ou arquitetos, que sabem estruturar suas ideias e atrair pessoas com habilidades para ajudar na construção de tal obra.

Mas se criar uma cultura já é um grande desafio, mais difícil ainda é mudar uma cultura existente, porque está impregnada na mente dos indivíduos, que a  transmitem uns para os outros e também para os seus sucessores. 

Olhando o momento atual da pandemia, percebemos que existe algo inesplicavel acontecendo, desfazendo a zona de conforto, levando algumas pessoas a mudar radicalmente em busca de formas de vida mais inteligentes e mais leves.  

Algumas pessoas enchergam estas dificuldades do momento como oportunidades para mudar e INOVAR, rompendo com crenças e tradições, e com isso conquistam um novo patamar de percepção.

Por outro lado, outras pessoas ficam presas nos velhos paradigmas, esperando tudo voltar para um velho NORMAL para retomar sua rotina antiga.  

As vezes nos parece que estamos vivendo uma espécie de "Holocausto" com a exterminação de muitas pessoas, agredindo nossa velha cultura humana e obrigando-nos a buscar outras formas de sobreviver. O problema é que desta vez o inimigo é quase invisível e não temos um líder para combater.

Alguns estudiosos acreditam que a Terra é um ser vivo que automaticamente se regenera de toda agressão sofrida e que esta pandemia seria uma reação natural do organismo vivo tentando se recuperar da "infecção causada pela raça humana"  Neste artigo, pesquisadores da UFRJ analisam seriamente a Hipótese de GAIA, que vê a Terra como um organismo vivo.

Será que este processo pode mesmo estar sendo controlado pela própria natureza para mudar a cultura de todo o planeta, levando algumas pessoas ao seu ponto de esgotamento e ruptura, a partir do qual elas percebem e praticam novos valores?

E se for assim, esperamos que estas pessoas que aderem a nova ordem, se tornem os novos lideres portadores do germe da nova cultura planetária que poderá trazer melhor qualidade de vida para o Planeta e seus habitantes.



João Sergio P. Silva 
7/04/2021

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um dia a gente aprende

Atribuido a W illiam Shakespeare Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança ou proximidade. E começa aprender que beijos não são contratos, tampouco promessas de amor eterno. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos radiantes, com a graça de um adulto – e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, pois o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, ao passo que o futuro tem o costume de cair em meio ao vão. Depois de um tempo você aprende que o sol pode queimar se ficarmos expostos a ele durante muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe: algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa o quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e, por isto, você precisa estar sempre disposto a pedoá-la. Aprende que f

Consagracao do Aposento

Gostaria de oferecer uma prece já conhecida e consagrada pelo Circulo Esotérico da Comunhão do Pensamento,   a Consagração do aposento. Mas proponho que ao afirma-la, cada um se veja no centro de um círculo que forma ao redor de si “um aposento”, um lugar especial dentre de cada um de nós mesmos.  Um círculo que cresce e se expande a medida que nos purificamos e nos tornamos projeções mais perfeitas do poder, sabedoria e amor de Deus. Que  envolve aos poucos aqueles com quem nos relacionamos e vai se ampliando e tocando os círculos iluminados daqueles com que cooperamos, formando um círculo cada vez maior de Paz e Harmonia. CONSAGRAÇÃO DO APOSENTO Dentro do Círculo Infinito da Divina Presença que me envolve inteiramente Afirmo: Há uma só presença aqui: é a presença da Harmonia, que faz vibrar todos os corações de Felicidade e Alegria. Quem quer que aqui entre, sentirá as vibrações da Divina Harmonia. Há uma só presença aqui: é a do Amor. Deus é Am

A tríade Pensar, Sentir e Agir

Estes três vértices formam o triangulo magico da Criação, que envolve sempre Ideia, sentimento e ação. Existe uma estreita correlação entre eles , de tal forma que quando um deles é  acionado desencadeia reação nos demais. O pensamento gera sentimento, que provoca ação, a ação provoca sentimento e reflexão , o sentiment o dependente da criação mental e da iniciativa. Qual o motor que costumamos usar em nossas vidas? Ação desenfreada e irrefletida, rompantes destruidores sem a analise cautelosa da razão? Turbilhões de imagens mentais que incendeiam as emoções ? Sentimentos nebulosos de magoa ou paixões desenfreadas , confund indo a  a razão   e a  visão  da realidade? Os sábios antigos comparavam o homem com uma carruagem. O Cocheiro representa a mente, Os Cavalos Representam o coração e as emoções, A Charrete com sua mecânica, representa o Corpo Físico. Quem está no comando desta carruagem? A carruagem move-se desgovernada seguindo ladeira abaixo, carr