Pular para o conteúdo principal

Mensagem do mestre

 

MENSAGEM DO MESTRE



    O ano era o de 1991, o vírus da época era a Guerra do Golfo. Sim, sempre há um vírus ameaçando a vida na Terra. Eu vivia um momento confuso, entre a Matéria e o Espírito.



    Preso aos costumes e desejoso de me libertar das prisões da alma. As rotinas me consumiam, eu as acatava e vagava entre a família e o trabalho. Sabia que um chamado ressoava forte em minha mente, mas não entendia seu significado.



    Entre o Rio de Janeiro e São Lourenço, eu oscilava entre os planos físico e espiritual. Num, eu trabalhava e promovia lucros, noutro, eu rejeitava o sucesso material e buscava atingir um estágio espiritual, que negava o progresso material.



    A ordem surgiu no silêncio e na solidão de um quarto desarrumado, numa casa com pouco conforto e muita magia. A voz silenciosa estabelecia a época da mudança, dava explicações das razões, sem apartes e alegações.



    A família chegou de um ritual, ouviu o meu relato e não questionou. Fiquei febril, e me encontraram sadio, deixaram-me doente, ouviram-me consciente. A decisão fora tomada, a mudança foi decidida, e seria cumprida.



    Sábado, 3 de agosto, a mudança foi consumada. A estrada iluminada por uma luz dourada, que bem podia ser do sol, no arrebol matinal. Árvores agitavam seus galhos e saudavam a nossa passagem. Enfim, a liberdade!



    São Lourenço, a cidade sagrada, seria minha morada. Os guardiões saudavam a minha chegada, o Mestre fez aquela chegada, abençoada. À noite, um ritual, nos próximos dias, as bençãos a um ideal.



    Loucura, todos repetiam, ato de fé, dizia eu. Que fé, que garantia tinha eu? Fé não se explica, nem dela se abdica. Mensagem da alma, perda da calma, trauma futuro ou ato seguro.



    Trabalho renunciado, comodismo cancelado e futuro ameaçado. Palavra do Mestre, ordem sem certezas, decisão sem grandezas. Obediente, consciente e confiante, segui o Mestre até São Lourenço.



    Nasci de novo, não renasci, pois não morri, simplesmente eu era outro, que conhecia o anterior, com seus erros e acertos. Explicar a decisão pela razão não podia, eu só dizia que ordem do Mestre cumpre-se sem argumentar ou explicar. 



    As recordações me transportam para um relato sobre a fé. Se verdadeiro, eu não sei, nem importa, só importa a mensagem. Que sirva de lição para quem receber algo igual, que saiba distinguir entre o teor da mensagem e as falsas crendices.



    Conta-nos um mestre sufi que, havendo um grande desastre com o rompimento de uma represa, um homem crente de muita fé sonhou que Deus prometera salvá-lo. Que ele tivesse calma e muita fé, pois seria salvo.



    A água foi subindo, e o homem de fé, isolado em casa, orava confiante na promessa divina. Uma turma de socorro chegou para salvá-lo, mas ele rejeitou ajuda, por entender que estava seguro, como prometera Deus. 



    Horas depois, a água chegava próxima ao teto da casa, quando chegou uma nova turma de socorro, insistindo para que abandonasse a casa, pois a água continuava a subir. Ele, mais uma vez, recusou a ajuda, com a mesma alegação, por ser um homem de muita fé.



    À noite, sobre o telhado, com a casa coberta de água, uma outra turma veio em seu socorro, e diante da insistência de permanecer em casa, em nome da fé, a turma se foi, e ele acabou morrendo.



    Segundo o mestre sufi, o homem chegou no Céu muito zangado, exigindo falar com Deus, por haver sido enganado. Conduzido à presença divina, ele se disse um homem de muita fé, e que em nome dessa fé, ele acabou morrendo, abandonado por Deus.



    Deus disse ao homem de muita fé que, apesar de toda fé que tinha, ela não soube acreditar na promessa divina, pois, por três vezes, ele rejeitara a ajuda que foi oferecida para a sua salvação. 



    Ele depositara num Deus criado em sua mente, a missão de salvá-lo, sem entender que Deus possui inúmeros poderes de motivar os humanos a prestarem ajuda a quem tem uma verdadeira fé. Em cada turma, se fazia presente um Deus desconhecido daquele ingênuo homem de fé.



    Aguardando um Deus criado em sua imaginação, o homem de fé morreu na ilusão de que sua fé seria a solução que ia salvá-lo. Ele não soube deixar nas mãos de Deus, o modo de ser salvo, por se deixar levar por uma condição imaginária do que fosse a fé.



    O mestre sufi concluiu, e concluo eu, a linha que separa a fé da fantasia é uma linha muito tênue, que, se não for muito bem entendida, pode enganar e negar a mensagem.



    Manter a conexão permanente com seu Mestre é o modelo ideal para reconhecer o verdadeiro teor da mensagem, e obedecer a ordem do Mestre. O Mestre é o legítimo intermediário entre Deus e o discípulo, e reconhecer a voz do Mestre é obrigação de todos nós.     




    Interpretações e conclusões próprias são os caminhos mais fáceis para perder os ensinamentos do Mestre, retardar as ações ordenadas e levar a missão ao fracasso. 



    Escrever esse relato me transporta para 30 anos atrás, quando reconheci a ordem do Mestre e abandonei tudo, sem explicações ou comprovações. E aqui estou, numa conexão permanente com meu Mestre, recebendo mensagens e cumprindo a missão.




Gilberto Gonçalves



   

Participe desta forte corrente positiva. Clique na imagem abaixo para acessar.








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A tríade Pensar, Sentir e Agir

Estes três vértices formam o triangulo magico da Criação, que envolve sempre Ideia, sentimento e ação. Existe uma estreita correlação entre eles , de tal forma que quando um deles é  acionado desencadeia reação nos demais. O pensamento gera sentimento, que provoca ação, a ação provoca sentimento e reflexão , o sentiment o dependente da criação mental e da iniciativa. Qual o motor que costumamos usar em nossas vidas? Ação desenfreada e irrefletida, rompantes destruidores sem a analise cautelosa da razão? Turbilhões de imagens mentais que incendeiam as emoções ? Sentimentos nebulosos de magoa ou paixões desenfreadas , confund indo a  a razão   e a  visão  da realidade? Os sábios antigos comparavam o homem com uma carruagem. O Cocheiro representa a mente, Os Cavalos Representam o coração e as emoções, A Charrete com sua mecânica, representa o Corpo Físico. Quem está no comando desta carruagem? A carruagem move-se desgovernada seguindo ladeira abaixo, carr

Consagracao do Aposento

Gostaria de oferecer uma prece já conhecida e consagrada pelo Circulo Esotérico da Comunhão do Pensamento,   a Consagração do aposento. Mas proponho que ao afirma-la, cada um se veja no centro de um círculo que forma ao redor de si “um aposento”, um lugar especial dentre de cada um de nós mesmos.  Um círculo que cresce e se expande a medida que nos purificamos e nos tornamos projeções mais perfeitas do poder, sabedoria e amor de Deus. Que  envolve aos poucos aqueles com quem nos relacionamos e vai se ampliando e tocando os círculos iluminados daqueles com que cooperamos, formando um círculo cada vez maior de Paz e Harmonia. CONSAGRAÇÃO DO APOSENTO Dentro do Círculo Infinito da Divina Presença que me envolve inteiramente Afirmo: Há uma só presença aqui: é a presença da Harmonia, que faz vibrar todos os corações de Felicidade e Alegria. Quem quer que aqui entre, sentirá as vibrações da Divina Harmonia. Há uma só presença aqui: é a do Amor. Deus é Am

A vida é uma dança

Quando uma porta se fecha, outra se abre; quando um caminho termina, outro começa… nada é estático no Universo, tudo se move sem parar e tudo se transforma sempre para melhor. Habitue-se a pensar desta forma: tudo que chega é bom, tudo que parte também.  É a dança da vida… dance-a da forma como ela se apresentar, sem apego ou resistência. Não se apavore com as doenças… elas são despertadores, têm a missão de nos acordar. De outra forma permaneceríamos distraídos com as seduções do mundo material, esquecidos do que viemos fazer neste planeta. O universo nos mandou aqui para coisas mais importantes do que comer, dormir, pagar contas… Viemos para realizar o Divino em nós. Toda inércia é um desserviço à obra divina. Há um mundo a ser transformado, seu papel é contribuir para deixá-lo melhor do que você o encontrou. Recursos para isso você tem, só falta a vontade de servir a Deus servindo aos homens. Não diga que as pessoas são difíceis e que convivência entre seres humanos