Pular para o conteúdo principal

Tensão e Relaxamento


A MÃO QUE TENSIONA A CORDA

Quando puxamos fortemente a corda de um arco, criamos uma força que cresce a medida que o arco se enverga, gerando uma tremenda tensão que pode tanto partir o arco como será capaz de arremessar a flecha a uma velocidade espantosa. Após finalmente soltarmos a flecha, esta recebe toda tensão gerada no arco que se converte em velocidade e força em direção ao seu alvo. Ao mesmo tempo, surge um repentino relaxamento da mão e da corda, como um alivio para a tensão anteriormente gerada.
Isso nos ensina que após uma grande tensão vem o relaxamento. De posse deste conhecimento podemos evitar maiores problemas. Por exemplo, quando a dor vem, não devemos tencionar ou resistir, pois isso só aumenta o sofrimento. O melhor a fazer e deixar a dor se estabelecer ate atingir seu ápice, quando então começa a declinar.  Se conseguirmos suporta-la, chegará o momento do alivio e solução da tensão extinguindo a causa. Quando resistimos, pioramos seus efeitos e nos contraímos quando ela fica mais forte, justamente no seu ápice, quando inicia o declínio.
Diz a musica de Lulu Santos que “A vida vem em ondas”.  Então, se existe o momento do conflito, também haverá o momento do relaxamento. Relaxar faz a gente lidar melhor com a situação de conflito e crise. Por isso o Mestre aconselhou: “Não resistas ao mal”.  A resistência na presença da força contrária, neste caso aumenta a tensão e pode levar ao choque ou ruptura.
A mesma ideia deveria ser aplicada a toda situação de conflito e pressão. Se soubermos controlar nossa ansiedade e suportar a situação difícil, mantendo o equilíbrio e controle, nos encheremos de forca para atuar no melhor momento, quando a forca oponente estiver esgotada. 

O STRESS

O termo estresse foi tomado emprestado da física, onde designa a tensão e o desgaste a que estão expostos os materiais, e usado pela primeira vez no sentido hodierno em 1936 pelo médico Hans Selye na revista científica Nature.
O Stress é fruto de uma elevada tensão mantida sobre um objeto, ou mesmo sobre uma pessoa sem que haja um intervalo de relaxamento. É como se a corda fosse puxada indefinidamente sobrecarregando o arco até que ele se rompa.
O estresse pode ser sentido em diversas situações onde haja ansiedade ou depressão devido à mudança brusca no estilo de vida ou a exposição a um determinado ambiente de esforço interno ou externo, que leva a pessoa a sentir um determinado tipo de angústia.

A DANÇA DOS OPOSTOS

Percebe-se então a importância de saber combinar Tensão e Relaxamento, Ação e reflexão. Ouvir e falar, aprender e realizar.
A mola que se comprime e oprime, quando se solta gera movimento e reação contraria.
Será que as tensões de nossa vida são molas que agem sobre nós para produzir reação e movimento e nos tirar da confortável inercia ?
Permanecer na oposição gera tensão crescente e conflito, mas permanecer na inercia gera degradação. É melhor então deixar o oponente esgotar sua força para depois então agirmos.
O Sábio proverbio aconselha “Descansar na paixão e agir na razão”



Receba nossas Postagens direto no seu e-mail

perfil-jsps

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A vida é uma dança

Quando uma porta se fecha, outra se abre; quando um caminho termina, outro começa… nada é estático no Universo, tudo se move sem parar e tudo se transforma sempre para melhor. Habitue-se a pensar desta forma: tudo que chega é bom, tudo que parte também.  É a dança da vida… dance-a da forma como ela se apresentar, sem apego ou resistência. Não se apavore com as doenças… elas são despertadores, têm a missão de nos acordar. De outra forma permaneceríamos distraídos com as seduções do mundo material, esquecidos do que viemos fazer neste planeta. O universo nos mandou aqui para coisas mais importantes do que comer, dormir, pagar contas… Viemos para realizar o Divino em nós. Toda inércia é um desserviço à obra divina. Há um mundo a ser transformado, seu papel é contribuir para deixá-lo melhor do que você o encontrou. Recursos para isso você tem, só falta a vontade de servir a Deus servindo aos homens. Não diga que as pessoas são difíceis e que convivência entre seres humanos

A tríade Pensar, Sentir e Agir

Estes três vértices formam o triangulo magico da Criação, que envolve sempre Ideia, sentimento e ação. Existe uma estreita correlação entre eles , de tal forma que quando um deles é  acionado desencadeia reação nos demais. O pensamento gera sentimento, que provoca ação, a ação provoca sentimento e reflexão , o sentiment o dependente da criação mental e da iniciativa. Qual o motor que costumamos usar em nossas vidas? Ação desenfreada e irrefletida, rompantes destruidores sem a analise cautelosa da razão? Turbilhões de imagens mentais que incendeiam as emoções ? Sentimentos nebulosos de magoa ou paixões desenfreadas , confund indo a  a razão   e a  visão  da realidade? Os sábios antigos comparavam o homem com uma carruagem. O Cocheiro representa a mente, Os Cavalos Representam o coração e as emoções, A Charrete com sua mecânica, representa o Corpo Físico. Quem está no comando desta carruagem? A carruagem move-se desgovernada seguindo ladeira abaixo, carr

O Ritmo do Trabalho

Primeiramente gostaria de agradecer a todos que se interessam por esta leitura e dizer que tudo que falarei aqui é de minha inteira responsabilidade. São minhas crenças pessoais, fruto de meus estudos e reflexões, mas que não devem ser levadas como verdades absolutas, porque nem mesmo eu as tenho desta forma. Eu vos convido a refletir comigo, se permitindo o direito de observar pelo menos por alguns momentos, certas questões que serão apresentadas,  por uma visão diferente e talvez contraditória a sua própria visão. Durante todo este mês estaremos debatendo este tema e gostaríamos de convida-lo a deixar seus comentários e reflexões no final do texto clicando em novo comentário e acompanhar as respostas e sugestões dos demais. Não estranhem o fato de que teremos mais perguntas do que respostas, mais reflexões do que formulações prontas, pois as perguntas parecem contribuir mais para o aprendizado do que as afirmações. Quem de nós pode de fato afirmar alguma coisa,