Pular para o conteúdo principal

CURSO DE OCULTISMO – SOMBRA E PERSONA


O Ocultismo é mistério, o Ocultismo é conhecimento, o Ocultismo é psicologia.

Diante dessas afirmativas, entremos na esfera da psicologia, e tratemos de estudar a mente e os efeitos dos desvios mentais que muitos enfrentam sem perceber.

A sombra é um termo junguiano para os aspectos da psique reprimidos pelo ego. Ao crescer, escondemos dos outros muitos aspectos de nós mesmos para sermos amados e aceitos. A sombra oculta permanece imatura, mas tem um desejo nato de reconhecimentos e de aprovação consciente.

Outro aspecto da sombra pode estar relacionado com vidas passadas, nas quais representamos algumas das nossas características socialmente negativas ou inaceitáveis. Infelizmente, a sombra, como a pessoa repugnante dos filmes de terror que foi trancafiada num sótão por toda a vida, com frequência nos amedronta, e assim preferimos mantê-la trancada ou esquecê-la.

Por ser inconsciente, a sombra é mais comumente tida como uma projeção sobre outra pessoa, em geral do mesmo sexo. As características contra as quais reagimos numa pessoa que não nos agrada são bons reflexos da parte desprezada de nós mesmos.

Uma segunda saída para a sombra está nos sonhos em que somos perseguidos ou atacados por animais, ou por um integrante hostil ou repulsivo do mesmo sexo.

Uma terceira manifestação é reagir emocionalmente num grau inapropriado a uma dada situação.

Quem nos revela todos esses ensinamentos é Charles Breaux, em sua obra literária Jornada Rumo à Consciência, que trata, entre outros temas, da Psicologia Junguiana.

Diz-nos mais ainda o autor que é inútil qualquer tentativa de encobrir a sombra com comportamentos do ego socialmente aceitáveis. Para fazer as pazes com a sombra, é necessário parar de julgá-la e de reprimi-la. O ego, assim, terá necessidade de aceitar todos os ressentimentos, carências, agressões, inseguranças, vontade de poder e desejos infantis contidos na sombra. Se não o fizer, grande quantidade de energia psíquica permanecerá presa em subpersonalidades conflitantes que dão corpo a esses conteúdos reprimidos.

Quanto mais eles forem abafados, tanto mais as subpersonalidades terão liberdade para devastar a vida do self consciente. Em casos extremos, a negação persistente do lado negativo da sombra resulta no que clinicamente se denomina complexo psicopatológico.

Somente quando recebemos o choque da visão de nós mesmos como realmente somos, e não de como desejamos pretender ser, é que a jornada para a nossa individualidade essencial pode começar. Encarar a sombra requer humildade. A confiança é também um fator importante. Se acreditamos que a sombra não destruirá a nossa vida se nós a libertarmos, mais facilmente podemos integrá-la em vez de continuar a projetá-la nos outros.

A sombra também pode conter qualidades positivas que ficaram sem desenvolvimento porque a autoimagem é modesta ou tímida em demasia. Pode não ter havido suporte ou estrutura de referência no nosso ambiente inicial para o desenvolvimento de algumas dessas qualidades potenciais.

Uma simples observação da mitologia revelará algumas variações da função potencial da sombra. No mito, a sombra muitas vezes é representada como um animal ou companheiro muito peculiar que salva o herói de um fim prematuro visando seus instintos. Em outros casos, vemos o herói combatendo um inimigo brutal, cuja maldade proposital que surge enigmaticamente provê justo o que o herói precisa. Esses temas míticos ilustram como a sombra realmente contém elementos ausentes que são valiosos ao ego.

Enquanto a sombra constitui o aspecto de nós mesmos condenado ao inconsciente, a persona é a máscara que o ego usa para se apresentar ao mundo exterior. Nos sonhos, por exemplo, a persona pode ser representada por um disfarce ou traje. Como crianças, criamos ou adotamos imagens que nos proporcionaram aceitação cultural ou parental. A persona

reflete, portanto, a identificação do ego com padrões parentais e sociais.

Pode-se também considerar a persona como as ciladas usadas pelo ego para justificar a nossa existência. Ao crescer, muitos de nós experimentamos alguns tipos de privação emocional e por isso não desenvolvemos um sentido forte de autoestima. Como adultos mantemos essa insegurança básica. Os mecanismos de defesa usados para lidar tanto com a dor emocional como com uma existência injustificada são algumas das mãos desesperadas que modelam as máscaras que usamos. Infelizmente, essa postura defensiva do ego nos enrijece, e passamos a agir de acordo com certos padrões que nem sempre conduzem á satisfação das nossas necessidades.

Como crianças, muitos de nós logo aprendemos que era inútil pedir diretamente o que queríamos; por isso tomamos a decisão de parar de expressar nossos sentimentos e necessidades. Recorremos á manifestação de nossa raiva ou nos tornamos manipuladores. Como adultos, em consequência, temos uma história de necessidades e de desejos emocionais não atendidos que nos acompanha nos relacionamentos com os outros. Sem nos comunicarmos com clareza, projetamos com frequência um grande número de expectativas e exigências em nossas relações, apenas para sentir sempre outra vez a dor e a confusão do passado.

Todos temos necessidade de nos sentirmos bem conosco mesmos. Se não nos sentimos aceitos e reconhecidos, nos tornamos amargos e cínicos. Sentimos ciúme dos outros e podemos passar, a vida toda, preocupados em apontar todas as maneiras pelas quais os outros não merecem receber o que nos falta.

A sombra tem uma relação contrária à energia investida na persona. Uma persona muito desenvolvida arrasta a sombra para regiões mais profundas do inconsciente, onde ela se torna muito perigosa. Crimes horríveis em nome do Estado ou da Igreja são exemplos de uma persona muito desenvolvida. No outro lado do espectro, uma persona pouco desenvolvida faz com que seja difícil viver no mundo social. Automaticamente, nos alienamos se formos incapazes de aceitar qualquer dos papéis ou regras da sociedade. Em qualquer dos extremos, somos inibidos na realização e manifestação da nossa individualidade.

Quando expressadas de forma consciente, sombra e persona são instrumentos essenciais para a autodescoberta e funcionamento no mundo. Uma tarefa importante consiste em integrar as qualidades da sombra e da persona, sem se identificar com elas.

Gilberto Gonçalves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um dia a gente aprende

Atribuido a W illiam Shakespeare Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança ou proximidade. E começa aprender que beijos não são contratos, tampouco promessas de amor eterno. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos radiantes, com a graça de um adulto – e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, pois o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, ao passo que o futuro tem o costume de cair em meio ao vão. Depois de um tempo você aprende que o sol pode queimar se ficarmos expostos a ele durante muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe: algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa o quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e, por isto, você precisa estar sempre disposto a pedoá-la. Aprende que f

Consagracao do Aposento

Gostaria de oferecer uma prece já conhecida e consagrada pelo Circulo Esotérico da Comunhão do Pensamento,   a Consagração do aposento. Mas proponho que ao afirma-la, cada um se veja no centro de um círculo que forma ao redor de si “um aposento”, um lugar especial dentre de cada um de nós mesmos.  Um círculo que cresce e se expande a medida que nos purificamos e nos tornamos projeções mais perfeitas do poder, sabedoria e amor de Deus. Que  envolve aos poucos aqueles com quem nos relacionamos e vai se ampliando e tocando os círculos iluminados daqueles com que cooperamos, formando um círculo cada vez maior de Paz e Harmonia. CONSAGRAÇÃO DO APOSENTO Dentro do Círculo Infinito da Divina Presença que me envolve inteiramente Afirmo: Há uma só presença aqui: é a presença da Harmonia, que faz vibrar todos os corações de Felicidade e Alegria. Quem quer que aqui entre, sentirá as vibrações da Divina Harmonia. Há uma só presença aqui: é a do Amor. Deus é Am

A tríade Pensar, Sentir e Agir

Estes três vértices formam o triangulo magico da Criação, que envolve sempre Ideia, sentimento e ação. Existe uma estreita correlação entre eles , de tal forma que quando um deles é  acionado desencadeia reação nos demais. O pensamento gera sentimento, que provoca ação, a ação provoca sentimento e reflexão , o sentiment o dependente da criação mental e da iniciativa. Qual o motor que costumamos usar em nossas vidas? Ação desenfreada e irrefletida, rompantes destruidores sem a analise cautelosa da razão? Turbilhões de imagens mentais que incendeiam as emoções ? Sentimentos nebulosos de magoa ou paixões desenfreadas , confund indo a  a razão   e a  visão  da realidade? Os sábios antigos comparavam o homem com uma carruagem. O Cocheiro representa a mente, Os Cavalos Representam o coração e as emoções, A Charrete com sua mecânica, representa o Corpo Físico. Quem está no comando desta carruagem? A carruagem move-se desgovernada seguindo ladeira abaixo, carr